Loading posts...
4 curiosidades sobre o shamisen para entender “Mashiro no Oto”
Ler

4 curiosidades sobre o shamisen para entender “Mashiro no Oto”

Mashiro no Oto pode não ser o melhor anime já feito sobre música. Ainda assim, a série foi uma janela a um mundo fascinante de que raramente escutamos: o shamisen. Para aqueles, como eu, cujo conhecimento desse instrumento se resume ao filme Kubo e as Cord...
“I Had That Same Dream Again”: um melodrama igual, mas diferente
Ler

“I Had That Same Dream Again”: um melodrama igual, mas diferente

Não importa se estamos falando do Pulitzer ou de um top 10 mental tirado de Alta Fidelidade. Todo tipo de prêmio tem seus award-baits: obras feitas sob medida para ticar todas as caixas de quem as avalia. Esses trabalhos não são necessariamente ruins. Às v...
“Heaven”: a violência e seus sentidos
Ler

“Heaven”: a violência e seus sentidos

Quando resenhei Kagami no Kojou semanas atrás, não imaginei que trombaria com outro romance japonês sobre bullying tão cedo. Mais surpreendente foi vê-lo escrito por ninguém menos que Mieko Kawakami, que conquistou o Japão e mundo com o incendiário Breasts...
“Mass Effect” e o fim da história
Ler

“Mass Effect” e o fim da história

Graças ao lançamento de sua legendary edition, a trilogia Mass Effect está de volta aos holofotes. Era inevitável que esse dia fosse chegar. Remasters são uma necessidade no mundo dos games, uma solução – às vezes, a única – para garantir que jogos sobrevi...
Por que “Nier: Replicant” nos faz chorar
Ler

Por que “Nier: Replicant” nos faz chorar

Computadores podem te fazer chorar? Essa foi a pergunta de um anúncio da Electronic Arts do início dos anos 1980, quando videogames ainda eram novidade. Hoje, numa época em que games estão no acervo de museus e inspiram livros de poesia, é dífícil a...
“Kagami no Kojou”: por uma infância que supere os muros da escola
Ler

“Kagami no Kojou”: por uma infância que supere os muros da escola

Kagami no Kojo ( The Lonely Castle in the Mirror na sua edição em inglês ) é um obra enganosamente simples. É um romance sobre uma criança seduzida a cruzar um portal a um mundo fantástico. Mas também é um romance que seduz a nós próprios com imagens famil...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #7: a diplomacia
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #7: a diplomacia

Quando fazemos um game histórico, certas coisas são difíceis de acertar porque são complicadas ou abstratas demais para fazer caber em um jogo. Já outras são difíceis porque não parecem fazer o menor sentido. A diplomacia na Irlanda medieval é uma d...
“First Person Singular”: retrato de um Murakami sob ataque
Ler

“First Person Singular”: retrato de um Murakami sob ataque

Haruki Murakami é conhecido por um estilo inimitável de realismo fantástico. E por retratos tão comoventes sobre a solidão que fazem qualquer um procurar um copo de whisky ao som de um jazz melancólico. Suas histórias reproduzem  a esquisitice típica dos so...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary # 6: as facções jogáveis
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary # 6: as facções jogáveis

Poucas coisas afetam mais nossa experiência com um jogo histórico do que os uniformes que vestimos – metaforicamente -  quanto sentamos à mesa. Uma mesma jogatina pode ser uma experiência inspiradora ou horripilante dependendo da facção que controlarmos. Um...
“Noir”, 20 anos depois: por que o clássico da Bee Train continua inesquecível
Ler

“Noir”, 20 anos depois: por que o clássico da Bee Train continua inesquecível

Há uma cena em Noir que penetra com mais força que uma bala de Walther P99. Mireille, uma assassina de aluguel, confronta sua parceira Kirika após retornarem de uma execução. “É por isso que eu te disse!” Ela rapidamente foge para a cozinha da quitine...