Em destaque

“O Assassinato do Comendador”: até a imaginação precisa de ordem
Ler

“O Assassinato do Comendador”: até a imaginação precisa de ordem

Nenhum escritor está à prova de críticas. Mesmo assim, há aqueles que cimentaram tão bem sua voz no mercado literário que conseguem perseverar ao sabor das opiniões. Haruki Murakami, de volta à ativa em 2017 com O Assassinato do Comendador, é um desses auto...
Continue lendo
“O Museu do Silêncio”: as memórias (e a literatura) são universais
Ler

“O Museu do Silêncio”: as memórias (e a literatura) são universais

Muitos anos atrás, um primo italiano, restaurador, deu para minha mãe um vaso que encontrou em um sítio arqueológico. Ele o escavara em Cariati, uma pequenina cidade do sul da Itália de onde veio a minha família. Estava em pedaços e parecia ser muito antigo. ...
Continue lendo
O atentado ao metrô de Tóquio e a literatura japonesa
Ler

O atentado ao metrô de Tóquio e a literatura japonesa

Em 20 de março de 1995, cinco membros do culto apocalíptico Aum Shinrikyo embarcaram em linhas diferentes do metrô de Tóquio. Sob os braços, levavam  bolsas do neuro-agente sarin enroladas em jornal. Em dado momento, armados com guarda-chuvas de pontas limadas...
Continue lendo

Postagens anteriores

“The Life and Suffering of Sir Brante”: A História não é um simples dominó
Ler

“The Life and Suffering of Sir Brante”: A História não é um simples dominó

Muito tempo atrás, quando videogames ainda eram novidade, estudiosos da mídia se perguntavam qual era a melhor “caixinha”, no mundo da arte, em que deveriam ser colocados. Alguns defendiam que eles eram apenas outro tipo de jogo, igual ao xadrez ou mesmo ao...
De onde vem o fascínio dos animes com a Irlanda?
Ler

De onde vem o fascínio dos animes com a Irlanda?

Em 2018, o site francês Manga-News perguntou a Nagabe qual era a história por trás do subtítulo de seu maior sucesso, A Menina do Outro Lado: Siúl a Run. Senti que o entrevistador tinha lido minha mente. Eu sabia que Siúl a Rún ( “Ande, meu amor”), é uma mú...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #5: o combate – regras avançadas
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #5: o combate – regras avançadas

No último diário, eu falei sobre os princípios gerais do combate. Nesse texto, entrarei em maior detalhe em algumas de suas regras específicas: os efeitos de terreno, mobilização e situações especiais de combate. Os efeitos de terreno Como eu expliqu...
“Haru no Noroi”: contra certas dores não existe alívio
Ler

“Haru no Noroi”: contra certas dores não existe alívio

Haru no Noroi ("A Maldição de Haru) é uma história sobre dor. Suas personagens são receosas, indecisas, mas também valentes e determinadas – contra, muitas vezes, seus melhores interesses. É um mangá sobre a morte e o luto. Porém, como outras histórias d...
O que “Urasekai Picnic” tem a ver com a ficção científica que o inspirou?
Ler

O que “Urasekai Picnic” tem a ver com a ficção científica que o inspirou?

Algum tipo de cataclisma muito além da compreensão humana deixou partes da Terra inabitável. Dentro dessa “zona” o sol ainda se levanta, o vento ainda sopra, plantas crescem. Mas as coisas são... diferentes. Como o mundo de um videogame com erros no código,...
A imaginação do desastre em “Asadora!”
Ler

A imaginação do desastre em “Asadora!”

O ano é 2020. Tóquio está em chamas, seus habitantes em fuga diante de um perigo desconhecido. A cidade, que se preparava para hospedar as Olimpíadas, começa a se perguntar se durará até a manhã seguinte. Poderia ser as manchetes de qualquer jornal de um an...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #4: o combate – regras gerais
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #4: o combate – regras gerais

Dizia François Truffault que é impossível fazer um filme anti-guerra. Para o cineasta, o mero ato de retratar a guerra na telona já trivializa – quando não glorifica – o derramamento de sangue. Coisa parecida pode ser dita sobre jogos. Por mais que tent...
“If All the World and Love Were Young”: o amor aos games para além da nostalgia
Ler

“If All the World and Love Were Young”: o amor aos games para além da nostalgia

Semanas atrás, enquanto dava uma aula, alguém me perguntou se os games já haviam influenciado a literatura. Essa pessoa não se referia às inúmeras novelizações de jogos eletrônicos, às light novels isekai ou a fenômenos como The Witcher. O que ela queria sa...
“My Broken Mariko”: por que não devemos sucumbir ao desespero
Ler

“My Broken Mariko”: por que não devemos sucumbir ao desespero

Há um motivo pelo qual histórias de vingança raramente terminam bem. O ódio não é um sentimento passivo. Ele é uma arma que corta dos dois lados. Ele cobra de nós cada gota de sofrimento que infligimos aos outros – frequentemente, com juros inimagináveis. ...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #3: o mapa
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #3: o mapa

Board games não têm esse nome à toa. De todos os seus elementos, seu tabuleiro é talvez o mais importante. Para jogos históricos como Os Triunfos de Tarlac é também um dos mais difíceis de desenvolver. Desde o ínicio, sabíamos que nosso tabuleiro dev...
O problema emocional de “Cyberpunk 2077”
Ler

O problema emocional de “Cyberpunk 2077”

(Aviso: contém SPOILERS de Cyberpunk 2077) Tive um amigo parecido com Johnny Silverhand. Não, ele não era um roqueiro, nem terrorista, tampouco tinha um braço cibernético. Mas ele tinha, como o deuteragonista de Cyberpunk 2077, a gana de “encarar a morte...
“Wolfwalkers”: a história irlandesa rebaixada à fórmula Disney
Ler

“Wolfwalkers”: a história irlandesa rebaixada à fórmula Disney

AVISO: Contém SPOILERS para Wolfwalkers O que seria de O Túmulo dos Vagalumes se o bombardeio de Kobe não acontecesse e Seita, Setsuko e sua mãe vivessem feliz para sempre? Ou de Nesse Canto do Mundo  se a bomba nunca caísse em Hiroshima e EUA e Japão fi...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #2: a dura tarefa de inventar objetivos
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #2: a dura tarefa de inventar objetivos

Esse post é parte de uma série. Para ler os artigos anteriores, clique aqui. Imagem destacada: Cálice de Ardagh, da coleção do Museu Nacional da Irlanda. Este artefato medieval foi a inspiração da taça Sam Maguire, entregue atualmente ao vencedor do ca...
“Rayearth” e a guerra sem fim
Ler

“Rayearth” e a guerra sem fim

Tudo começou com um desafio. Um dos editores da revista shoujo Nakayoshi confessou à mangaká Nanase Ohkawa que estavam com um problema. A publicação não conseguia expandir seu público para além das crianças. Ele esperava que Ohkawa e seu grupo, um quarte...
“GDLK” : uma nostálgica (e problemática) carta de amor aos games
Ler

“GDLK” : uma nostálgica (e problemática) carta de amor aos games

73,4% dos brasileiros joga jogos eletrônicos, segundo a última pesquisa Game Brasil. Mais de 2 milhões (incluindo este que vos fala) já prestigiaram a BGS, maior evento de games da América Latina. Os e-sports são uma indústria bilionária. Personagens icônicas ...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #1: a estrutura do turno
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #1: a estrutura do turno

The Image of Ireland de John Derricke (1581) Em um artigo anterior, eu apresentei a vocês os detalhes de Os Triunfos de Tarlac, jogo que estou desenvolvendo com as equipes do ARISE e do Laboratório de Estudos Medievais. Esse post é o primeiro em uma sé...
“Os Triunfos de Tarlac”: reis gaélicos e desafios ambientais no formato board game.
Ler

“Os Triunfos de Tarlac”: reis gaélicos e desafios ambientais no formato board game.

Aqueles de vocês que acompanham o blog já devem ter percebido que sou historiador de profissão. Vocês também sabem (melhor que ninguém) que não me canso de escrever sobre games. Esse mês, no entanto, trago uma novidade diferente. Uma tentativa de unir e...
“Olhos de Gato”: uma fábula carente de uma moral
Ler

“Olhos de Gato”: uma fábula carente de uma moral

AVISO: Contém SPOILERS para “Olhos de Gato” Quando eu tinha 11 anos, meus colegas inventaram que uma menina da turma gostava de mim. Não passava de crueldade infantil. Um pretexto para fazer piadas cada vez que nos flagravam juntos. Eu e ela nos senta...
“Eliza”: Pessoas são mais que simples dados
Ler

“Eliza”: Pessoas são mais que simples dados

O ano era 1964. “Computadores”, para a maioria das pessoas, ainda eram papo de ficção científica. Foi quando Joseph Weizenbaum, um professor do MIT, prestigiada universidade americana, teve uma ideia fora da caixa: um programa de computador capaz de convers...
Animes “de adultos” fazem jus à vida pós-universitária?
Ler

Animes “de adultos” fazem jus à vida pós-universitária?

Às vezes, é difícil escapar da impressão de que os animes são feitos exclusivamente para adolescentes. Se animes sobre adultos não são exatamente raros (e alguns marcam presença em qualquer lista de clássicos), eles somem de vista entre os dramas escolares,...
Carregar mais

Vinicius Marino

Autor
Historiador de formação, nipófilo em tempo integral, cosplayer nas horas vagas. Quando não está tocando seu violino ou escrevendo para o Finisgeekis, você pode encontrá-lo zanzando por convenções São Paulo e além. Provavelmente atrás de uma máscara.
Assine nossa newsletter
Receba todas as novidades do Finisgeekis no seu email
Postagens populares
Parceiros

Dissidência Pop

É Só Um Desenho