Em destaque

“First Person Singular”: retrato de um Murakami sob ataque
Ler

“First Person Singular”: retrato de um Murakami sob ataque

Haruki Murakami é conhecido por um estilo inimitável de realismo fantástico. E por retratos tão comoventes sobre a solidão que fazem qualquer um procurar um copo de whisky ao som de um jazz melancólico. Suas histórias reproduzem  a esquisitice típica dos so...
Continue lendo
“A Polícia da Memória”: a censura – e como vencê-la.
Ler

“A Polícia da Memória”: a censura – e como vencê-la.

Eu havia pensado em começar esse texto com uma referência literária ou a menção de algum episódio vergonhoso do passado. Infelizmente, a realidade tem um talento para superar a ficção. E o presente, com suas incertezas e passos em falso, nos choca mais que ...
Continue lendo
“O Assassinato do Comendador”: até a imaginação precisa de ordem
Ler

“O Assassinato do Comendador”: até a imaginação precisa de ordem

Nenhum escritor está à prova de críticas. Mesmo assim, há aqueles que cimentaram tão bem sua voz no mercado literário que conseguem perseverar ao sabor das opiniões. Haruki Murakami, de volta à ativa em 2017 com O Assassinato do Comendador, é um desses auto...
Continue lendo

Postagens anteriores

“Heike Monogatari” e a devassidão
Ler

“Heike Monogatari” e a devassidão

É normal que cidadãos falem mal de seus políticos. Viver em sociedade é uma coisa naturalmente estressante. Não escolhemos em que país, ou sob que tipo de governo, temos o infortúnio de nascer. Ninguém nos pergunta se queremos ou não obedecer às leis. E aq...
“Entregas Expressas da Kiki”: cedo ou tarde, todos devemos aposentar nossas vassouras
Ler

“Entregas Expressas da Kiki”: cedo ou tarde, todos devemos aposentar nossas vassouras

É mérito do Studio Ghibli que seus filmes pareçam capítulos de uma mesma história, reflexões de uma mesma (e coletiva) mente criativa. Mesmo quando se tratam de adaptações de livros variados, escritos por autores de diferentes cantos do mundo. Conhecer com...
“Temple Alley Summer”: o passado nunca morre de verdade
Ler

“Temple Alley Summer”: o passado nunca morre de verdade

O mês das bruxas acaba de terminar (ou de começar, se você for purista e levar em conta que o festival que inspirou o Halloween era celebrado dia 01/11 e seu nome - Samhain - significa “novembro” ). Ainda que você não seja tão fã da pantomina carnavalesca ...
“Tatami Galaxy”, ou por que devo desculpas a Tomihiko Morimi
Ler

“Tatami Galaxy”, ou por que devo desculpas a Tomihiko Morimi

Aconteceu no meu primeiro ano da faculdade. Foi a melhor época da minha vida até o momento, mas também a mais estressante. Farto até a medula de simulados e aulas de decoreba, decidi que tinha chegado a hora de aproveitar minha vida ao máximo. Tudo o que s...
Entrevista:  a Dublin de Joyce entre o passado, presente e futuro
Ler

Entrevista: a Dublin de Joyce entre o passado, presente e futuro

Hoje trago algo diferente para vocês. Se acompanham o blog há algum tempo, sabem que sou grande fã da obra de James Joyce. Minha admiração por esse autor já me levou a muitos lugares – por exemplo, a fazer cosplay de suas personagens pelas ruas de Dublin. ...
Entrevista: música e escapismo com o “Sofá a Jato”
Ler

Entrevista: música e escapismo com o “Sofá a Jato”

Vocês que acompanham o blog sabem que eu tenho uma queda por artistas que tiram algo a mais da cultura pop. Sejam elas romancistas, cosplayers ou poetas, há algo de belo - e valente - em utilizar games, quadrinhos e animes como ponto de partida, não um fim em...
“Palavras que Borbulham como Refrigerante”: encontrando poesia no que há de mais mundano
Ler

“Palavras que Borbulham como Refrigerante”: encontrando poesia no que há de mais mundano

Eu nunca fui um poeta. Minha breve experiência com essa forma de arte – escrevendo um poema aqui e ali, traduzindo outros tantos – deixou claro que rima, métrica, e eufonia são preocupações que deixo de bom grado aos outros. Na verdade, sequer me tornei um...
“A Mulher da Saia Roxa”: humor, intrigas e pessoas invisíveis
Ler

“A Mulher da Saia Roxa”: humor, intrigas e pessoas invisíveis

Certas histórias nos transportam para outros mundos. Outras arrancam nossas vendas, mostrando-nos universos paralelos escondidos debaixo dos nossos olhos. A Mulher da Saia Roxa, de Natsuko Imamura, pertence ao segundo grupo. É, à primeira vista, um romanc...
“Shino Can’t Say Her Name”: a juventude é só o ponto de partida
Ler

“Shino Can’t Say Her Name”: a juventude é só o ponto de partida

Abrir um mangá de Shuzo Oshimi é o mesmo que sair na rua quando uma tempestade está por vir. Sabemos que há um risco de congelarmos até o osso, terminarmos a noite com um blecaute e ainda acordarmos no dia seguinte com uma dor de cabeça. Assassinato, vanda...
“Hana-chan e a forma do mundo” : retrato de um Japão que não existe mais
Ler

“Hana-chan e a forma do mundo” : retrato de um Japão que não existe mais

Quando era pequeno, o prédio em que eu morava pegou fogo. Acordei de madrugada com os gritos da minha mãe. Meu pai não esperou para que eu entendesse que aquilo não era um sonho. Fui puxado escada abaixo com tanta força que tive a impressão de que voávamos...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #8 : os desastres
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #8 : os desastres

Nos games, senão na vida, desastres são incríveis. Nada nos força a pensar fora da caixa durante uma partida do que ver tudo o que construímos desabar de um instante para outro. Essa é uma experiência que Os Triunfos de Tarlac tinha o objetivo de provi...
4 curiosidades sobre o shamisen para entender “Mashiro no Oto”
Ler

4 curiosidades sobre o shamisen para entender “Mashiro no Oto”

Mashiro no Oto pode não ser o melhor anime já feito sobre música. Ainda assim, a série foi uma janela a um mundo fascinante de que raramente escutamos: o shamisen. Para aqueles, como eu, cujo conhecimento desse instrumento se resume ao filme Kubo e as Cord...
“I Had That Same Dream Again”: um melodrama igual, mas diferente
Ler

“I Had That Same Dream Again”: um melodrama igual, mas diferente

Não importa se estamos falando do Pulitzer ou de um top 10 mental tirado de Alta Fidelidade. Todo tipo de prêmio tem seus award-baits: obras feitas sob medida para ticar todas as caixas de quem as avalia. Esses trabalhos não são necessariamente ruins. Às v...
“Heaven”: a violência e seus sentidos
Ler

“Heaven”: a violência e seus sentidos

Quando resenhei Kagami no Kojou semanas atrás, não imaginei que trombaria com outro romance japonês sobre bullying tão cedo. Mais surpreendente foi vê-lo escrito por ninguém menos que Mieko Kawakami, que conquistou o Japão e mundo com o incendiário Breasts...
“Mass Effect” e o fim da história
Ler

“Mass Effect” e o fim da história

Graças ao lançamento de sua legendary edition, a trilogia Mass Effect está de volta aos holofotes. Era inevitável que esse dia fosse chegar. Remasters são uma necessidade no mundo dos games, uma solução – às vezes, a única – para garantir que jogos sobrevi...
Por que “Nier: Replicant” nos faz chorar
Ler

Por que “Nier: Replicant” nos faz chorar

Computadores podem te fazer chorar? Essa foi a pergunta de um anúncio da Electronic Arts do início dos anos 1980, quando videogames ainda eram novidade. Hoje, numa época em que games estão no acervo de museus e inspiram livros de poesia, é dífícil a...
“Kagami no Kojou”: por uma infância que supere os muros da escola
Ler

“Kagami no Kojou”: por uma infância que supere os muros da escola

Kagami no Kojo ( The Lonely Castle in the Mirror na sua edição em inglês ) é um obra enganosamente simples. É um romance sobre uma criança seduzida a cruzar um portal a um mundo fantástico. Mas também é um romance que seduz a nós próprios com imagens famil...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #7: a diplomacia
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #7: a diplomacia

Quando fazemos um game histórico, certas coisas são difíceis de acertar porque são complicadas ou abstratas demais para fazer caber em um jogo. Já outras são difíceis porque não parecem fazer o menor sentido. A diplomacia na Irlanda medieval é uma d...
“First Person Singular”: retrato de um Murakami sob ataque
Ler

“First Person Singular”: retrato de um Murakami sob ataque

Haruki Murakami é conhecido por um estilo inimitável de realismo fantástico. E por retratos tão comoventes sobre a solidão que fazem qualquer um procurar um copo de whisky ao som de um jazz melancólico. Suas histórias reproduzem  a esquisitice típica dos so...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary # 6: as facções jogáveis
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary # 6: as facções jogáveis

Poucas coisas afetam mais nossa experiência com um jogo histórico do que os uniformes que vestimos – metaforicamente -  quanto sentamos à mesa. Uma mesma jogatina pode ser uma experiência inspiradora ou horripilante dependendo da facção que controlarmos. Um...
Carregar mais

Vinicius Marino

Autor
Historiador de formação, nipófilo em tempo integral, cosplayer nas horas vagas. Quando não está tocando seu violino ou escrevendo para o Finisgeekis, você pode encontrá-lo zanzando por convenções São Paulo e além. Provavelmente atrás de uma máscara.
Assine nossa newsletter
Receba todas as novidades do Finisgeekis no seu email
Postagens populares
Parceiros

Dissidência Pop