“La Belle Sauvage”: Philip Pullman e sua nova luta contra a Autoridade

the book of dust cover.png

His Dark Materials é uma das séries mais populares, célebres e polêmicas do cânone infanto-juvenil.  Vinte e dois anos depois do lançamento de seu primeiro livro – uma recontagem de Paraíso Perdido protagonizada por crianças – a ousadia de Phillip Pullman continua desconcertante.

Quando o autor decidiu revisitar sua trilogia, portanto, não foram poucos os fãs que tomaram a internet de assalto, com êxtase digno – com o perdão da ironia – de uma segunda vinda de Cristo.

Continuar lendo “La Belle Sauvage”: Philip Pullman e sua nova luta contra a Autoridade

“O Infinito no Meio”: algo fundamental escapa pelos dedos

cover infinito no meio.png

Prisão epifânica é um tipo de cárcere em que não sabemos que estamos presos. É só quando tentamos fugir que descobrimos que nossa vida, na verdade, é uma cela.

É a Caverna de Platão, a Matrix, a Seahaven Island de O Show de Truman, o Museu do Silêncio de Yoko Ogawa, o Fim do Mundo de Haruki Murakami.

Continuar lendo “O Infinito no Meio”: algo fundamental escapa pelos dedos

“Jogador No. 1” e a vaidade da geração nerd

ready player one cover.jpg

Um jovem guerreiro encontra uma terra paradisíaca. Aqui, não há velhice, fome ou pobreza. Ele pode ser quem ele quiser, ao lado da mulher de seus sonhos. Um mundo perfeito.

Um dia, no entanto, ele descobre que a perfeição cansa. Começa a sentir saudade do mundo real, apesar de todos os seus problemas. Resignado, embarca em uma jornada de volta.

Continuar lendo “Jogador No. 1” e a vaidade da geração nerd

Revisitando “Solaris”: como o clássico de Lem mudou a literatura

solaris head.png

Existem pautas que nos pegam de surpresa, e outras que não aguentamos de vontade para colocar no papel.

O texto de hoje é do segundo tipo.

Qual foi minha surpresa ao navegar pelos canais da editora Aleph e descobrir que Solaris, clássico insuperável de Stanislaw Lem, ganharia uma nova (e linda) versão brasileira.

Continuar lendo Revisitando “Solaris”: como o clássico de Lem mudou a literatura

“Matéria Escura”: um romance perdido no uncanny valley

chicago bean night
Por CatharsisJB

Você voltaria ao passado para consertar algum arrependimento?

E se isso custasse abandonar a vida que tem hoje, com tudo o que trouxe de bom?

Se tivesse de escolher entre viver oportunidades que deixou passar e tudo o que tem hoje, qual seria sua escolha?

Continuar lendo “Matéria Escura”: um romance perdido no uncanny valley

4 livros para quem curte “Kuzu no Honkai”

Kuzu no Honkai cover 2.jpg

Grande sucesso da temporada, Kuzu no Honkai tem colecionado elogios por nos apresentar uma história que não vemos todos os dias: um antirromance.

Enquanto que muitos autores nos trazem amores açucarados e previsíveis, o anime se destacou por trazer personagens imperfeitas, em relações que trazem mais dor que felicidade. Um balde de água fria em um gênero marcado pela idealização.

Continuar lendo 4 livros para quem curte “Kuzu no Honkai”

“O Museu do Silêncio”: as memórias (e a literatura) são universais

museu-do-silencio

Muitos anos atrás, um primo italiano, restaurador, deu para minha mãe um vaso que encontrou em um sítio arqueológico. Ele o escavara em Cariati, uma pequenina cidade do sul da Itália de onde veio a minha família.

Estava em pedaços e parecia ser muito antigo. Grego? Romano? Etrusco? Ninguém sabia ao certo, mas não importava. Minha família sempre o tratou como um tesouro sem igual.

Continuar lendo “O Museu do Silêncio”: as memórias (e a literatura) são universais