Loading posts...
O que “Urasekai Picnic” tem a ver com a ficção científica que o inspirou?
Ler

O que “Urasekai Picnic” tem a ver com a ficção científica que o inspirou?

Algum tipo de cataclisma muito além da compreensão humana deixou partes da Terra inabitável. Dentro dessa “zona” o sol ainda se levanta, o vento ainda sopra, plantas crescem. Mas as coisas são... diferentes. Como o mundo de um videogame com erros no código,...
“O Tempo com Você”: Makoto Shinkai e nossos medos sobre o fim do mundo
Ler

“O Tempo com Você”: Makoto Shinkai e nossos medos sobre o fim do mundo

"Makoto Shinkai foi enaltecido por alguns como o "novo Miyazaki", mas esse elogio é prematuro na melhor das hipóteses, uma hipérbole na pior". Assim escreveu Theron Martin do ANN sobre 5 Centímetros por Segundo, então recém-lançado em DVD. "Se esse novo pro...
“Magical Girl”: quando garotas mágicas ganham o live-action
Ler

“Magical Girl”: quando garotas mágicas ganham o live-action

  Madoka foi inspirado em Fausto. Ozamu Tezuka adaptou Crime e Castigo aos mangás. Miyazaki citou Paul Valéry em Vidas ao Vento. Digimon fez homenagem a H.P. Lovecraft. Referências a obras ocidentais não são raras nos animes e mangás. Mais incomum é top...
Seleção Finisgeekis: os destaques do Oscar 2017
Ler

Seleção Finisgeekis: os destaques do Oscar 2017

Sejamos sinceros, o Oscar é um exercício em masoquismo. Seus critérios são ditados pela política. A cerimônia dura quatro horas e nos segura até a madrugada. O prêmio ganhou o status de "premiação máxima do cinema" à revelia de Cannes, Veneza, Berlim e ta...
“História da Sua Vida”: o conto que inspirou “A Chegada”
Ler

“História da Sua Vida”: o conto que inspirou “A Chegada”

Tudo isso que eu já vi na guerra, (...) tanta falta de sentido, violência... me fez pensar sobre falta de comunicação. Quer dizer, essa não é a raiz de tudo isso? Conflitos, guerras... no final das contas, não é tudo questão de linguagem? As palavras que...
A moralidade de “Rogue One” é mesmo cinza?
Ler

A moralidade de “Rogue One” é mesmo cinza?

Um bilhão de dólares. Essas são as cifras da bilheteria de Rogue One, stand-alone de Star Wars que chachoalhou os cinemas mês passado. Entre isso e o sucesso de público de O Despertar da Força, parece não haver dúvidas de que a aposta da Disney em comprar a L...
Entendendo “Nijigahara Holograph”: Inio Asano e o ensemble cast
Ler

Entendendo “Nijigahara Holograph”: Inio Asano e o ensemble cast

Nijigahara Holograph, de Inio Asano, é um soco no estômago. Com uma narrativa não-linear, temas pesados, usos e abusos do “show, don’t tell”, o mangá, que chegou ao Brasil recentemente, é um clássico cult de cair o queixo. Para a mente acostumada a obras s...
“Fune wo Amu”: o dicionário é mais do que um simples livro
Ler

“Fune wo Amu”: o dicionário é mais do que um simples livro

Eu me lembro de quando vi o Dicionário Houaiss pela primeira vez na vida. O ano era 2001, e eu, então com 10 anos, nunca havia visto um livro maior, mais bonito nem, provavelmente, mais caro. Ele acabara de ser lançado, e a banca de jornal em que eu ia toda...
O “mais do mesmo”: Por que paramos de odiar as sequels?
Ler

O “mais do mesmo”: Por que paramos de odiar as sequels?

Não faz tanto tempo que a falta de criatividade de Hollywood e seu hábito de explorar franquias de sucesso era motivo de chacota. De Volta para o Futuro 2 ilustrou isso bem ao pintar um 2015 fictício em que Tubarão 19 chegava aos cinemas. O próprio filme se ...
‘Star Wars’, o universo expandido e o futuro do mundo nerd
Ler

‘Star Wars’, o universo expandido e o futuro do mundo nerd

Lançamentos são mágicos. Em especial os de uma das franquias mais amadas de todos os tempos, como é o caso de Star Wars. Eles transformam o maior dos rabugentos em um fanboy de carteirinha e nos fazem enxergar o lado bom das coisas. Não posso dizer que o Desp...