Em destaque

Nothing Found

Postagens anteriores

“Napping Princess”: quando os sonhos passam da conta
Ler

“Napping Princess”: quando os sonhos passam da conta

Sonhos estão presentes na arte desde quando desenhávamos bisões em paredes de cavernas. É neles onde crianças enfrentam seus medos; sábios recebem profecias; roteiristas se redimem de plot holes. De tempos em tempos, porém, surge alguma obra que mergulha nos ...
As heroínas torturadas de Kore Yamazaki
Ler

As heroínas torturadas de Kore Yamazaki

Kore Yamazaki não é uma mangaká das mais conhecidas. Introspectiva, com apenas um título adaptado às telas, a autora bem poderia tocar uma vida pacata longe dos holofotes. Poderia, se o título em questão não fosse Mahoutsukai no Yome. Sucesso editorial que lh...
“Dies Irae”: perguntas valem mais que certezas
Ler

“Dies Irae”: perguntas valem mais que certezas

Se Deus existir, ele terá de implorar pelo meu perdão. A frase está gravada nas paredes de uma cela em Mauthausen, antigo campo de concentração nazista. Quando pensamos nos horrores do Holocausto, é fácil entender o porquê. De fato, não é simples conciliar...
4 jogos históricos para fugir da mesmice
Ler

4 jogos históricos para fugir da mesmice

História vende. Essa é a opinião de Bruce Shelley, da famosa série Age of Empires.  Pelo sucesso de sua franquia, não dá para dizer que está errado. E pelo lançamento de tantos blockbusters, históricos, de Assassin's Creed: Origins a Call of Duty: World War ...
“La Belle Sauvage”: Philip Pullman e sua nova luta contra a Autoridade
Ler

“La Belle Sauvage”: Philip Pullman e sua nova luta contra a Autoridade

His Dark Materials é uma das séries mais populares, célebres e polêmicas do cânone infanto-juvenil.  Vinte e dois anos depois do lançamento de seu primeiro livro – uma recontagem de Paraíso Perdido protagonizada por crianças – a ousadia de Phillip Pullman cont...
“Saint Alamo”: uma parábola da violência
Ler

“Saint Alamo”: uma parábola da violência

Se me perguntassem há alguns anos o que eu jamais resenharia, quadrinhos de faroeste estariam bem alto na lista. O western, de verdade, nunca me atraiu. Foi preciso a visão de um Kurosawa e o carisma de um Toshiro Mifune para que eu começasse a respeitá-lo no...
O Finisgeekis na BGS: uma espiada no futuro dos games
Ler

O Finisgeekis na BGS: uma espiada no futuro dos games

Esse domingo foi o último dia da Brasil Game Show, o maior evento de games da América Latina. Como gamer de carteirinha, é uma convenção que sempre quis conhecer. Como cosplayer, é mais uma oportunidade de ouro para vestirmos nossas personas favoritas. Como p...
“Made in Abyss” e “Aurora nas Sombras”: dois olhares sobre a escuridão
Ler

“Made in Abyss” e “Aurora nas Sombras”: dois olhares sobre a escuridão

(Aviso: contém SPOILERS para Made in Abyss) A temporada de verão acabou, e temos um veredito. Made in Abyss, baseado no mangá de Tsukushi Akihito, se tornou um dos animes mais polêmicos, comentados - e idolatrados - dos últimos tempos. Não é difícil entend...
“Cosplay, Steampunk e Medievalismo”: muito além da fantasia
Ler

“Cosplay, Steampunk e Medievalismo”: muito além da fantasia

Hoje trago a vocês um artigo um pouco diferente. Apesar de ser cosplayer e medievalista (do tipo que faz pesquisa acadêmica, não batalha campal), não tenho grandes fetiches pela Idade Média (como leitores do blog estão cansados de saber, é o Japão dos anos 19...
“Kono Sekai no Katasumi ni”: a geração que não sabia ver
Ler

“Kono Sekai no Katasumi ni”: a geração que não sabia ver

Das imagens que minha vó trouxe da Segunda Guerra, uma se destaca das demais. De tempos em tempos, aviões aliados sobrevoavam seu vilarejo, metralhando tudo o que encontravam pela frente. Minha vó nunca ficava para o espetáculo: ao primeiro som das hélices, e...
“O Infinito no Meio”: algo fundamental escapa pelos dedos
Ler

“O Infinito no Meio”: algo fundamental escapa pelos dedos

Prisão epifânica é um tipo de cárcere em que não sabemos que estamos presos. É só quando tentamos fugir que descobrimos que nossa vida, na verdade, é uma cela. É a Caverna de Platão, a Matrix, a Seahaven Island de O Show de Truman, o Museu do Silêncio de Yoko...
4 motivos que fizeram de “Age of Empires” um marco
Ler

4 motivos que fizeram de “Age of Empires” um marco

Qual o jogo que fez de você um gamer? Não digo o primeiro que jogou. Aquele que o fez sentir que era parte de algo maior. Que trazia aquele sorriso de cumplicidade sempre que topava com outro fã. Para mim, há um número de games que disputam o lugar. Dentre e...
Pirataria: calamidade ou mal necessário?
Ler

Pirataria: calamidade ou mal necessário?

Gerações vêm e vão. Fitas dão lugares a DVDs, que dão lugar a Blu Rays e arquivos digitais. Algumas questões, contudo, parecem eternas. É o caso da pirataria. As batalhas sobre direitos autorais na cultura pop não parece dar sinais de arrefecer.  A "utopia" d...
“Hellblade: Senua’s Sacrifice”: um marco nos jogos
Ler

“Hellblade: Senua’s Sacrifice”: um marco nos jogos

Aviso: contém SPOILERS de Hellblade: Senua's Sacrifice Enquanto jogava – ou melhor, experienciava – o novo produto da Ninja Theory, algo me dizia que estava diante de um jogo que ia muito além daquilo estava sendo mostrado em tela, que aquela experiência, de ...
“Jogador No. 1” e a vaidade da geração millennial
Ler

“Jogador No. 1” e a vaidade da geração millennial

Um jovem guerreiro encontra uma terra paradisíaca. Aqui, não há velhice, fome ou pobreza. Ele pode ser quem ele quiser, ao lado da mulher de seus sonhos. Um mundo perfeito. Um dia, no entanto, ele descobre que a perfeição cansa. Começa a sentir saudade do mun...
“A Cidade da Luz”: algumas coisas pertencem à escuridão
Ler

“A Cidade da Luz”: algumas coisas pertencem à escuridão

Tasuku é um "acompanhante de suicidas". Por um módico pagamento, ajuda pessoas que desejam se matar a planejar sua partida – e a não mudar de ideia na hora H. Tasuku não parece ter remorsos. Pelo contrário, leva seu “trabalho” com uma frieza assassina.  Por...
Afinal, qual é a graça de séries sobre comida?
Ler

Afinal, qual é a graça de séries sobre comida?

Um jovem e um velho estão sentados num balcão. A comida que pediram, duas tigelas de lamen, acaba de chegar. “Sensei” pergunta o jovem “O que se come primeiro? O caldo ou o macarrão? ” “Primeiro” responde o velho “Nós observamos. Pegue o hashi e acaricie...
Uma aventura no Japão #10: quem tem medo do teatro noh?
Ler

Uma aventura no Japão #10: quem tem medo do teatro noh?

Você já deve­ ter ouvido falar do noh, o mais famoso e pomposo dos teatros japoneses. Você já deve ter ouvido falar do noh, aquela ópera esquisita em que homenzarrões interpretam papéis femininos. Você já deve ter ouvido falar do noh, cujas máscaras parecem ...
Uma aventura no Japão #9: Sanja Matsuri: o festival dos yakuza
Ler

Uma aventura no Japão #9: Sanja Matsuri: o festival dos yakuza

Cidades não são apenas lugares. São também comunidades de pessoas, teias de rotinas, confusão. A “selva de pedra” não é feita só de concreto. É orgânica, como um ecossistema. Em Tóquio, a selva de pedra por excelência, isso fica evidente em seus festivais. E ...
Uma aventura no Japão #8: finalmente Hiroshima
Ler

Uma aventura no Japão #8: finalmente Hiroshima

Se você tivesse uma única oportunidade de ir ao Japão, que lugar que você não deixaria de visitar em hipótese alguma? Para mim e para minha esposa, a resposta sempre foi óbvia: Hiroshima. Existem lugares que todo historiador deve conhecer para fazer jus ao...
Carregar mais

Vinicius Marino

Autor
Historiador de formação, nipófilo em tempo integral, cosplayer nas horas vagas. Quando não está tocando seu violino ou escrevendo para o Finisgeekis, você pode encontrá-lo zanzando por convenções São Paulo e além. Provavelmente atrás de uma máscara.
Assine nossa newsletter
Receba todas as novidades do Finisgeekis no seu email
Postagens populares
Parceiros