Loading posts...
“My Broken Mariko”: por que não devemos sucumbir ao desespero
Ler

“My Broken Mariko”: por que não devemos sucumbir ao desespero

Há um motivo pelo qual histórias de vingança raramente terminam bem. O ódio não é um sentimento passivo. Ele é uma arma que corta dos dois lados. Ele cobra de nós cada gota de sofrimento que infligimos aos outros – frequentemente, com juros inimagináveis. ...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #3: o mapa
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #3: o mapa

Board games não têm esse nome à toa. De todos os seus elementos, seu tabuleiro é talvez o mais importante. Para jogos históricos como Os Triunfos de Tarlac é também um dos mais difíceis de desenvolver. Desde o ínicio, sabíamos que nosso tabuleiro dev...
O problema emocional de “Cyberpunk 2077”
Ler

O problema emocional de “Cyberpunk 2077”

(Aviso: contém SPOILERS de Cyberpunk 2077) Tive um amigo parecido com Johnny Silverhand. Não, ele não era um roqueiro, nem terrorista, tampouco tinha um braço cibernético. Mas ele tinha, como o deuteragonista de Cyberpunk 2077, a gana de “encarar a morte...
“Wolfwalkers”: a história irlandesa rebaixada à fórmula Disney
Ler

“Wolfwalkers”: a história irlandesa rebaixada à fórmula Disney

AVISO: Contém SPOILERS para Wolfwalkers O que seria de O Túmulo dos Vagalumes se o bombardeio de Kobe não acontecesse e Seita, Setsuko e sua mãe vivessem feliz para sempre? Ou de Nesse Canto do Mundo  se a bomba nunca caísse em Hiroshima e EUA e Japão fi...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #2: a dura tarefa de inventar objetivos
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #2: a dura tarefa de inventar objetivos

Esse post é parte de uma série. Para ler os artigos anteriores, clique aqui. Imagem destacada: Cálice de Ardagh, da coleção do Museu Nacional da Irlanda. Este artefato medieval foi a inspiração da taça Sam Maguire, entregue atualmente ao vencedor do ca...
“Rayearth” e a guerra sem fim
Ler

“Rayearth” e a guerra sem fim

Tudo começou com um desafio. Um dos editores da revista shoujo Nakayoshi confessou à mangaká Nanase Ohkawa que estavam com um problema. A publicação não conseguia expandir seu público para além das crianças. Ele esperava que Ohkawa e seu grupo, um quarte...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #1: a estrutura do turno
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #1: a estrutura do turno

The Image of Ireland de John Derricke (1581) Em um artigo anterior, eu apresentei a vocês os detalhes de Os Triunfos de Tarlac, jogo que estou desenvolvendo com as equipes do ARISE e do Laboratório de Estudos Medievais. Esse post é o primeiro em uma sé...
“Os Triunfos de Tarlac”: reis gaélicos e desafios ambientais no formato board game.
Ler

“Os Triunfos de Tarlac”: reis gaélicos e desafios ambientais no formato board game.

Aqueles de vocês que acompanham o blog já devem ter percebido que sou historiador de profissão. Vocês também sabem (melhor que ninguém) que não me canso de escrever sobre games. Esse mês, no entanto, trago uma novidade diferente. Uma tentativa de unir e...
“Olhos de Gato”: uma fábula carente de uma moral
Ler

“Olhos de Gato”: uma fábula carente de uma moral

AVISO: Contém SPOILERS para “Olhos de Gato” Quando eu tinha 11 anos, meus colegas inventaram que uma menina da turma gostava de mim. Não passava de crueldade infantil. Um pretexto para fazer piadas cada vez que nos flagravam juntos. Eu e ela nos senta...
“Eliza”: Pessoas são mais que simples dados
Ler

“Eliza”: Pessoas são mais que simples dados

O ano era 1964. “Computadores”, para a maioria das pessoas, ainda eram papo de ficção científica. Foi quando Joseph Weizenbaum, um professor do MIT, prestigiada universidade americana, teve uma ideia fora da caixa: um programa de computador capaz de convers...