Loading posts...
“Hiraeth”: morremos sozinhos, mas vivemos por meio dos outros
Ler

“Hiraeth”: morremos sozinhos, mas vivemos por meio dos outros

Hiraeth é uma daquelas palavras que vira e mexe aparece em listas de palavras intraduzíveis, ao lado de schadenfraude ou “saudade”. Tal como saudade, aliás, ela é frequentemente explicada como nostalgia, saudade de casa, tristeza de pensar em algo que é impos...
Yuuta Nishio: um mangaká para as angústias de nosso tempo
Ler

Yuuta Nishio: um mangaká para as angústias de nosso tempo

Uma mulher anda de bicicleta. O terno e mochila de laptop entregam que não pedala a passeio. Um caminhão a ultrapassa. A motorista lembra alguém que conhece. Alguém importante, insubstituível. Alguém que lhe prometera construir uma vida com ela, que jamais...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #9: a arte do jogo
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #9: a arte do jogo

Fidelidade histórica em jogos é um dos pontos mais discutidos por entusiastas na disciplina - Embora, como defendi em outra ocasião, não necessariamente o mais importante. Para nós, historiadores, representar adequadamente coisas como sistemas políticos, ...
“A Música de Marie”: por um sonho que abrace nossa humanidade
Ler

“A Música de Marie”: por um sonho que abrace nossa humanidade

Cerca de trinta anos atrás, algumas pessoas pensavam que a queda do Muro de Berlim seria o capítulo final de um século de catástrofes que nunca mais se repetiria. Sem dúvida, faltavam problemas a se resolver. O futuro traria sua parcela de desafios. Mas nenhu...
“Drive My Car”: para que serve uma adaptação?
Ler

“Drive My Car”: para que serve uma adaptação?

Adaptações têm uma fama ambígua no mundo do cinema. Se é verdade que livros e filmes flertam um com o outro desde os primórdios da sétima arte, poucas opiniões são mais repetidas que a máxima “o livro é melhor”. Quando soube que o conto Drive My Car de Har...
“People From My Neighbourhood”: imaginação em estado bruto
Ler

“People From My Neighbourhood”: imaginação em estado bruto

Era, como diria Vinícius, um prédio muito engraçado. Famílias com exatamente seis pessoas ocupavam todos os apartamentos. Aqui e ali, coisas estranhas começam a acontecer. Um homem cuja barba cresce mais rápido do que é capaz de cortá-la. Uma pessoa cujas ...
“The Characters Taught Me Everything”: por dentro da carreira de Megumi Hayashibara
Ler

“The Characters Taught Me Everything”: por dentro da carreira de Megumi Hayashibara

Você sem dúvida já teve contato com Megumi Hayashibara, ainda que não a conheça de nome. Dubladora, cantora e radialista japonesa com uma carreira de mais de trinta anos, ela já trabalhou em alguns dos animes mais famosos de todos os tempos, como Evangelion (...
O que “Mawaru Penguindrum” nos ensina sobre o extremismo
Ler

O que “Mawaru Penguindrum” nos ensina sobre o extremismo

O Finisgeekis entra em mais um ano, e tenho o privilégio de anunciar algo para lá de especial. Mais uma vez, tive o privilégio de escrever para o ANN. Desta vez, sobre um tema que não poderia ser mais relevante – e um dos melhores animes já criados. Maw...
“Le Sommet des Dieux”: a obsessão humana é sua própria montanha
Ler

“Le Sommet des Dieux”: a obsessão humana é sua própria montanha

Eu era criança quando chegou às livrarias No Ar Rarefeito, relato do jornalista Jon Krakauer sobre o desastre do Monte Evereste de 1996.  Graças, entre outras coisas, a um número excessivo de alpinistas pouco treinados, a temporada de escaladas resultou em um...
“Heike Monogatari” e a devassidão
Ler

“Heike Monogatari” e a devassidão

É normal que cidadãos falem mal de seus políticos. Viver em sociedade é uma coisa naturalmente estressante. Não escolhemos em que país, ou sob que tipo de governo, temos o infortúnio de nascer. Ninguém nos pergunta se queremos ou não obedecer às leis. E aq...