Loading posts...
4 lições de game design de “Cultist Simulator”
Ler

4 lições de game design de “Cultist Simulator”

Fallen London (né Echo Bazaar), criado pela Failbetter Games,  é o melhor game de browser que já joguei na vida. Com ecos de Neverwhere, o jogo nos leva a uma Londres alternativa enterrada no centro da Terra, onde beefeaters londrinos dividem espaço com trafic...
“Frostpunk”: vale a pena salvar a humanidade?
Ler

“Frostpunk”: vale a pena salvar a humanidade?

Alguns jogos nos prometem repetir os feitos dos grandes da história. Outros, liderar uma civilização aos limites do potencial humano. Outros, ainda, descobrir o espaço, colonizar novos mundos e tornar-se o imperador absoluto do universo. Jogos sempre prom...
Vício em games: verdade ou ficção?
Ler

Vício em games: verdade ou ficção?

A indústria de games adora uma polêmica. De pânicos sobre violência em jogos a acusações de alienação, gamers já estão acostumados a serem maltratados pela mídia. Recentemente, porém, o burburinho parece ter vindo de outro lugar. Pela primeira vez na história...
4 jogos históricos para fugir da mesmice
Ler

4 jogos históricos para fugir da mesmice

História vende. Essa é a opinião de Bruce Shelley, da famosa série Age of Empires.  Pelo sucesso de sua franquia, não dá para dizer que está errado. E pelo lançamento de tantos blockbusters, históricos, de Assassin's Creed: Origins a Call of Duty: World War ...
O Finisgeekis na BGS: uma espiada no futuro dos games
Ler

O Finisgeekis na BGS: uma espiada no futuro dos games

Esse domingo foi o último dia da Brasil Game Show, o maior evento de games da América Latina. Como gamer de carteirinha, é uma convenção que sempre quis conhecer. Como cosplayer, é mais uma oportunidade de ouro para vestirmos nossas personas favoritas. Como p...
4 motivos que fizeram de “Age of Empires” um marco
Ler

4 motivos que fizeram de “Age of Empires” um marco

Qual o jogo que fez de você um gamer? Não digo o primeiro que jogou. Aquele que o fez sentir que era parte de algo maior. Que trazia aquele sorriso de cumplicidade sempre que topava com outro fã. Para mim, há um número de games que disputam o lugar. Dentre e...
“Hellblade: Senua’s Sacrifice”: um marco nos jogos
Ler

“Hellblade: Senua’s Sacrifice”: um marco nos jogos

Aviso: contém SPOILERS de Hellblade: Senua's Sacrifice Enquanto jogava – ou melhor, experienciava – o novo produto da Ninja Theory, algo me dizia que estava diante de um jogo que ia muito além daquilo estava sendo mostrado em tela, que aquela experiência, de ...
Por que “Nier: Automata” é uma narrativa tão marcante
Ler

Por que “Nier: Automata” é uma narrativa tão marcante

  (Aviso: contém SPOILERS de Nier: Automata) Dizer que Nier: Automata é um jogo excepcional já é quase chover no molhado. Seu criador, Yoko Taro, sempre foi conhecido por pensar fora da caixa, mas nenhuma de suas obras, até agora, chegou tão perto do r...
“Game over?” Como os games tornam o fracasso viciante
Ler

“Game over?” Como os games tornam o fracasso viciante

Tudo o que vive está fadado a terminar. Com essas palavras começa Nier: Automata, o novo jogo de Yoko Taro que coleciona elogios. Meio JRPG, meio bullet hell; meio ruminação filosófica, meio tributo metanarrativo, o jogo nos força, a todo momento, a repen...
“Torment: Tides of Numenera”: o futuro dos RPGs é uma casa dividida
Ler

“Torment: Tides of Numenera”: o futuro dos RPGs é uma casa dividida

 Certa vez, assistindo à intro de Majora’s Mask, minha noiva fez o seguinte comentário: “Os jogos no passado eram mais mágicos.” “Por quê? ” eu perguntei. “Porque deixavam mais a cargo da imaginação.” Não dá para negar o argumento. Os Zeldas do N64 não f...