Loading posts...
4 coisas que “We. The Revolution” nos ensina sobre populismo
Ler

4 coisas que “We. The Revolution” nos ensina sobre populismo

"Populismo" é uma palavra quente do momento. Em vários países, pelas mais variadas razões, pessoas têm tomado as ruas, as urnas e (em alguns casos) as armas contra as injustiças do status quo. Até agora, o resultado foram políticos ineptos ou demagogos afas...
Como “GRIS” usa a beleza para contar uma história
Ler

Como “GRIS” usa a beleza para contar uma história

O que faz a história de um game inesquecível? Essa é uma pergunta quase tão antiga quanto os games em si, que ganhou força na última década, depois de Roger Ebert, o grande crítico de cinema, declarar que “jogos nunca poderão ser arte”. Não foram pou...
Os donos do jogo: a guerra (nem tão fria) entre criadores e produtores
Ler

Os donos do jogo: a guerra (nem tão fria) entre criadores e produtores

Obsidian e Bethesda têm uma relação tempestuosa. Em 2010, a equipe da primeira, chefiada por Chris Avellone, lançou Fallout: New Vegas, um dos mais celebrados jogos da franquia. Seu publisher, a Bethesda, prometeu um bônus aos criadores se o jogo ultrapassa...
4 lições de game design de “Cultist Simulator”
Ler

4 lições de game design de “Cultist Simulator”

Fallen London (né Echo Bazaar), criado pela Failbetter Games,  é o melhor game de browser que já joguei na vida. Com ecos de Neverwhere, o jogo nos leva a uma Londres alternativa enterrada no centro da Terra, onde beefeaters londrinos dividem espaço com trafic...
“Frostpunk”: vale a pena salvar a humanidade?
Ler

“Frostpunk”: vale a pena salvar a humanidade?

Alguns jogos nos prometem repetir os feitos dos grandes da história. Outros, liderar uma civilização aos limites do potencial humano. Outros, ainda, descobrir o espaço, colonizar novos mundos e tornar-se o imperador absoluto do universo. Jogos sempre prom...
Vício em games: verdade ou ficção?
Ler

Vício em games: verdade ou ficção?

A indústria de games adora uma polêmica. De pânicos sobre violência em jogos a acusações de alienação, gamers já estão acostumados a serem maltratados pela mídia. Recentemente, porém, o burburinho parece ter vindo de outro lugar. Pela primeira vez na história...
4 jogos históricos para fugir da mesmice
Ler

4 jogos históricos para fugir da mesmice

História vende. Essa é a opinião de Bruce Shelley, da famosa série Age of Empires.  Pelo sucesso de sua franquia, não dá para dizer que está errado. E pelo lançamento de tantos blockbusters, históricos, de Assassin's Creed: Origins a Call of Duty: World War ...
O Finisgeekis na BGS: uma espiada no futuro dos games
Ler

O Finisgeekis na BGS: uma espiada no futuro dos games

Esse domingo foi o último dia da Brasil Game Show, o maior evento de games da América Latina. Como gamer de carteirinha, é uma convenção que sempre quis conhecer. Como cosplayer, é mais uma oportunidade de ouro para vestirmos nossas personas favoritas. Como p...
4 motivos que fizeram de “Age of Empires” um marco
Ler

4 motivos que fizeram de “Age of Empires” um marco

Qual o jogo que fez de você um gamer? Não digo o primeiro que jogou. Aquele que o fez sentir que era parte de algo maior. Que trazia aquele sorriso de cumplicidade sempre que topava com outro fã. Para mim, há um número de games que disputam o lugar. Dentre e...
“Hellblade: Senua’s Sacrifice”: um marco nos jogos
Ler

“Hellblade: Senua’s Sacrifice”: um marco nos jogos

Aviso: contém SPOILERS de Hellblade: Senua's Sacrifice Enquanto jogava – ou melhor, experienciava – o novo produto da Ninja Theory, algo me dizia que estava diante de um jogo que ia muito além daquilo estava sendo mostrado em tela, que aquela experiência, de ...