Loading posts...
“Drive My Car”: para que serve uma adaptação?
Ler

“Drive My Car”: para que serve uma adaptação?

Adaptações têm uma fama ambígua no mundo do cinema. Se é verdade que livros e filmes flertam um com o outro desde os primórdios da sétima arte, poucas opiniões são mais repetidas que a máxima “o livro é melhor”. Quando soube que o conto Drive My Car de Har...
“People From My Neighbourhood”: imaginação em estado bruto
Ler

“People From My Neighbourhood”: imaginação em estado bruto

Era, como diria Vinícius, um prédio muito engraçado. Famílias com exatamente seis pessoas ocupavam todos os apartamentos. Aqui e ali, coisas estranhas começam a acontecer. Um homem cuja barba cresce mais rápido do que é capaz de cortá-la. Uma pessoa cujas ...
“Le Sommet des Dieux”: a obsessão humana é sua própria montanha
Ler

“Le Sommet des Dieux”: a obsessão humana é sua própria montanha

Eu era criança quando chegou às livrarias No Ar Rarefeito, relato do jornalista Jon Krakauer sobre o desastre do Monte Evereste de 1996.  Graças, entre outras coisas, a um número excessivo de alpinistas pouco treinados, a temporada de escaladas resultou em um...
“Heike Monogatari” e a devassidão
Ler

“Heike Monogatari” e a devassidão

É normal que cidadãos falem mal de seus políticos. Viver em sociedade é uma coisa naturalmente estressante. Não escolhemos em que país, ou sob que tipo de governo, temos o infortúnio de nascer. Ninguém nos pergunta se queremos ou não obedecer às leis. E aq...
“Entregas Expressas da Kiki”: cedo ou tarde, todos devemos aposentar nossas vassouras
Ler

“Entregas Expressas da Kiki”: cedo ou tarde, todos devemos aposentar nossas vassouras

É mérito do Studio Ghibli que seus filmes pareçam capítulos de uma mesma história, reflexões de uma mesma (e coletiva) mente criativa. Mesmo quando se tratam de adaptações de livros variados, escritos por autores de diferentes cantos do mundo. Conhecer com...
“Temple Alley Summer”: o passado nunca morre de verdade
Ler

“Temple Alley Summer”: o passado nunca morre de verdade

O mês das bruxas acaba de terminar (ou de começar, se você for purista e levar em conta que o festival que inspirou o Halloween era celebrado dia 01/11 e seu nome - Samhain - significa “novembro” ). Ainda que você não seja tão fã da pantomina carnavalesca ...
“Tatami Galaxy”, ou por que devo desculpas a Tomihiko Morimi
Ler

“Tatami Galaxy”, ou por que devo desculpas a Tomihiko Morimi

Aconteceu no meu primeiro ano da faculdade. Foi a melhor época da minha vida até o momento, mas também a mais estressante. Farto até a medula de simulados e aulas de decoreba, decidi que tinha chegado a hora de aproveitar minha vida ao máximo. Tudo o que s...
Entrevista:  a Dublin de Joyce entre o passado, presente e futuro
Ler

Entrevista: a Dublin de Joyce entre o passado, presente e futuro

Hoje trago algo diferente para vocês. Se acompanham o blog há algum tempo, sabem que sou grande fã da obra de James Joyce. Minha admiração por esse autor já me levou a muitos lugares – por exemplo, a fazer cosplay de suas personagens pelas ruas de Dublin. ...
“A Mulher da Saia Roxa”: humor, intrigas e pessoas invisíveis
Ler

“A Mulher da Saia Roxa”: humor, intrigas e pessoas invisíveis

Certas histórias nos transportam para outros mundos. Outras arrancam nossas vendas, mostrando-nos universos paralelos escondidos debaixo dos nossos olhos. A Mulher da Saia Roxa, de Natsuko Imamura, pertence ao segundo grupo. É, à primeira vista, um romanc...
“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #8 : os desastres
Ler

“Os Triunfos de Tarlac” dev diary #8 : os desastres

Nos games, senão na vida, desastres são incríveis. Nada nos força a pensar fora da caixa durante uma partida do que ver tudo o que construímos desabar de um instante para outro. Essa é uma experiência que Os Triunfos de Tarlac tinha o objetivo de provi...