“Game over?” Como os games tornam o fracasso viciante

nier automata fail.png

Tudo o que vive está fadado a terminar.

Com essas palavras começa Nier: Automata, o novo jogo de Yoko Taro que coleciona elogios.

Meio JRPG, meio bullet hell; meio ruminação filosófica, meio tributo metanarrativo, o jogo nos força, a todo momento, a repensar o que sabemos sobre nosso hobby.

Continuar lendo “Game over?” Como os games tornam o fracasso viciante

“Torment: Tides of Numenera”: o futuro dos RPGs é uma casa dividida

 tides of humenera header.jpg

Certa vez, assistindo à intro de Majora’s Mask, minha noiva fez o seguinte comentário:

Os jogos no passado eram mais mágicos.”

“Por quê? ” eu perguntei.

“Porque deixavam mais a cargo da imaginação.”

Continuar lendo “Torment: Tides of Numenera”: o futuro dos RPGs é uma casa dividida

“Tyranny”: uma fábula sobre o totalitarismo

tyranny cover.png

Na semana passada, a Obsidian entregou uma das propostas mais ambiciosas de sua história: um RPG em que só podemos interpretar vilões, cujo objetivo é dominar fracos e oprimidos.

Eu mesmo escrevi sobre quão difícil era a ideia – e quais os truques que os criadores de Fallout: New Vegas poderiam usar para tornar a maldade divertida.

Quão errado eu estava.

Continuar lendo “Tyranny”: uma fábula sobre o totalitarismo

Tudo o que você já quis saber sobre dublagem de games (mas nunca perguntou)

voice acting.png

Quem ronda a internet atrás de notícias sobre Mass Effect: Andromeda já deve ter se deparado com a Explorers WantedA campanha da Bioware permite que qualquer um concorra à chance de ter sua voz incluída na próxima aventura épica do estúdio.

A ideia não é nova. Os criadores da saga de Shepard fizeram um concurso similar em 2014, quando do lançamento de Dragon Age: Inquisition. Para uma marca com tanto renome no mundo dos RPGs, era de se imaginar que a Bioware valorizasse seus dubladores – e aquilo que trazem para os jogos.

Continuar lendo Tudo o que você já quis saber sobre dublagem de games (mas nunca perguntou)

‘Pokémon Go’: O bom, o mau e o feio

pokemon header.jpg

Goste ou não, não é mais possível ignorar o fenômeno. Pokémon Go se tornou campeão de pesquisas no Google , superou o Tinder em número de instalações e criou um novo gênero de pornografia.

Sua popularidade é tão grande que foi criado até um site para acompanhar o ritmo dos novos downloads em tempo real. Os resultados, como é de se imaginar, são assombrosos.

Continuar lendo ‘Pokémon Go’: O bom, o mau e o feio

É possível fazer games sem objetivos?

no mans sky header.jpg

Gamers estão desculpados por se sentirem inseguros com No Man’s Sky. O jogo da Hello Games mal foi lançado, mas já se tornou um dos títulos mais esperados, ambiciosos e polêmicos dos últimos tempos.

Anunciado como um game de exploração e sobrevivência em um universo “infinito” no qual é possível fazer quase tudo, o game atiçou a esperança de fãs, mas também a desconfiança de uma geração pós-Peter Molyneux.

Para quem já se decepcionou e perdeu dinheiro com jogos hypados no passado, No Man’s Sky parece bom demais para ser verdade.

Continuar lendo É possível fazer games sem objetivos?

4 curiosidades sobre ‘Blood and Wine’ para se despedir de ‘The Witcher’

witchet blood wine cover.jpg

É o momento que todos esperávamos e temíamos. The Witcher 3: Blood and Wine, a segunda expansão do jogo do ano de 2015, finalmente foi lançada. Infelizmente, é também a nossa última aventura com o Lobo Branco de Rivia.

Como a CD Projekt RED anunciou, não haverá um Witcher 4. Salvo alguma mudança brusca de política editorial, essa será a última aventura do witcher Geralt pelo mundo dos games.

Continuar lendo 4 curiosidades sobre ‘Blood and Wine’ para se despedir de ‘The Witcher’

Por que jogos de ‘grand strategy’ são tão viciantes?

hearts of iron header.png

No mundo dos games, há mais na última geração do que gráficos fotorrealistas e franquias multimilionárias. Se é verdade que hoje a indústria faz parcerias com Hollywood e investe em realidade virtual, também é verdade que ela tem resgatado alguns dos mais queridos nichos de épocas passadas.

Foi o caso dos roguelites, um dos gêneros mais distantes do mundo mainstream. E é, também, o caso dos grand strategies, que pelas mãos da cada vez mais popular Paradox têm conquistado não apenas fãs de carteirinha, mas também o grande público.

Continuar lendo Por que jogos de ‘grand strategy’ são tão viciantes?

3 jogos para entender a Primeira Guerra Mundial (antes de ‘Battlefield 1’)

battlefield 1.jpg

No mundo dos games existem alguns mandamentos não-escritos. Até pouco tempo atrás, “Não ambientarás teu jogo na Primeira Guerra Mundial” estava no topo da lista.

De fato, se a Segunda Guerra Mundial é um dos períodos históricos mais abordados de todo o meio, a Primeira sempre mereceu notas de rodapé. Ou, no melhor das hipóteses, uma menção indireta em algum título grand strategy.

Continuar lendo 3 jogos para entender a Primeira Guerra Mundial (antes de ‘Battlefield 1’)

Entrevista: escrevendo as quests de ‘Witcher 3’

geralt_of_rivia-sword-the_witcher_3_wild_hunt-video-game-picture-1920x1200.jpg

Não há dúvidas de que The Witcher 3: The Wild Hunt é um dos jogos mais impressionantes de memória recente. O blockbuster da CD Projekt RED, baseado em um dos maiores sucessos da fantasia europeia, conseguiu a façanha de combinar um open world imersivo, gráficos de ponta, ação e um dos melhores enredos da história dos games.

Continuar lendo Entrevista: escrevendo as quests de ‘Witcher 3’