As heroínas torturadas de Kore Yamazaki

 

Kore Yamazaki não é uma mangaká das mais conhecidas. Introspectiva, com apenas um título adaptado às telas, a autora bem poderia tocar uma vida pacata longe dos holofotes.

Poderia, se o título em questão não fosse Mahoutsukai no Yome. Sucesso editorial que lhe rendeu a fama no estrangeiro, a história de afeto entre um mago monstruoso e sua aprendiz repete a magia como um dos destaques da temporada.

Não é difícil entender o apelo. The Ancient Magus’ Bride, como a série chegou ao Ocidente, é uma das adições mais peculiares ao gênero de fantasia.

Não apenas por trazer um mundo original e efervescente, com referências que vão de xxxHolic aos contos de H.P. Lovecraft; de Harry Potter ao Judeu Errante. Yamazaki também consegue, com uma facilidade que parece bruxesca, confundir nossos termômetros morais.

O mangá conta a história de Chise, uma garota depressiva que resolve se vender como escrava. Quem a compra é um mago chamado Elias Ainsworth. Seu motivo? Fazer dela a sua aprendiz – e noiva.

O argumento em si já eriça os cabelos de muitos leitores. A surpresa só não é maior do que a de constatar que Chise não deseja abandonar Elias, mesmo depois de conhecer sua verdadeira natureza e de encontrar aqueles que a ajudariam na fuga.

A decisão de Chise, de fato, é o maior mistério de Mahoutsukai no Yome, superando em muito suas referências ao folclore a à magia.

Um mistério, no entanto, que se torna mais claro ao explorarmos as outras obras escritas pela autora.

O desejo da obediência

A vida de Chise em Mahoutsukai no Yome é difícil. Abandonada pelos pais, sem um lar para chamar de seu, Chise deseja apenas alguma segurança. Se a liberdade for o preço para obtê-la, é uma quantia que ela está disposta a pagar.

Sua trajetória é espinhosa. Comparada com outras heroínas de Yamazaki, no entanto, é tudo menos incomum.

Frau Faust, também lançado no Ocidente, nos traz uma versão livre da lenda de Fausto, com referências suficientes à demonologia e ocultismo para não fazer feio à fábula de Chise e Elias.

O mangá acompanha uma versão feminina do diabólico doutor – Johanna – que se torna professora de um garoto. A heroína fez um pacto com o demônio Mefistófeles e entrou na mira da Inquisição. Tal como a Chise de Mahoutsukai, no entanto, sua relação com o “mestre” vai bem além do contratual.

Johanna é a Chise para o Elias de Mefisto, mas desempenha também o papel de mestre. Marion, o garoto que aceita tutelar, é um jovem desiludido, criado por uma família à beira da falência. Na sua devoção à professora, vemos ecos de Alice, aprendiz de Renfred, rival de Elias em Mahoutsukai no Yome.

Renfred e Alice de Mahoutsukai no Yome

Toumei Hakubutsukan (“O Museu Transparente”) one-shot lançado como extra de Frau Faust,  repete no conto o que o mangá faz na série. Ele nos conta a história de Asaki, uma garota que arranja um emprego em um museu muito particular. Os objetos exibidos, cansados dos olhares dos visitantes, decidem “desaparecer”.

Numa trama que se passaria por pastiche de Uma Noite no Museu, Asaki precisa encontrar as “obras” e convencê-las a voltar a seus expositores.

Não é preciso muito para entendermos que o “museu” do título é tudo menos literal. A partir de uma premissa fantástica, Yamazaki constrói uma fábula sobre empatia, solidão e pressão social.

Asaki, logo percebemos, está procurando um emprego porque seus pais enfrentam um divórcio. Para isto, cai nas garras de um diretor de museu que a trata como uma cobaia e a manuseia como uma boneca.

Esse desejo de subserviência que aparece até em suas obras não fantásticas. Futari no Renai Shoka é uma história de amor entre Kanako, uma vendedora de livros, e Akio, um leitor adolescente que compartilha seu gosto por literatura.

O romance não envolve leilões de escravos ou bofes monstruosos, mas traz afetos torturados que nos arrepiam da mesma forma.

Kanako é uma adulta que parece não ter fugido da adolescência. Vive sozinha e é incapaz de lidar com as tarefas domésticas. Sua mãe faleceu tragicamente. Seu pai, em luto, tornou-se distante e negligente.

Aiko, muito embora seja um estudante, torna-se a figura paterna que a vida lhe tolheu. O garoto, no entanto, também arrasta seus próprios demônios. Seus pais estão sempre ausentes a “trabalho”, uma daquelas coincidências inverossímeis de animes que exigem de seus heróis que cresçam mais rápido do que a vida lhes quer.

 

É inegável que Yamazaki conta suas histórias com sensibilidade. É inegável, também, que elas provocam um grande desconforto.

Há um limite de vezes que podemos evocar uma mensagem até que a descrição se confunda com a apologia. Para a autora de Mahoutsukai no Yome, tal fetiche parece estar em uma postura masoquista e conformista.

Ou seria mesmo?

Feridas que se fecham

Lendo suas histórias com atenção, percebemos que a realidade é um tanto mais complicada.

Embora algumas de suas personagens estejam em posição de poder e outras buscam a submissão, é difícil apontar, no final das contas, quem de fato está no comando de quem.

Chise de Mahoutsukai no Yome é a aprendiz por excelência: a “estranha em uma terra estranha” amparada em um mestre inumano. Para ela, a obediência não é uma escolha. É a diferença entre a vida e a morte.

Ao longo dos capítulos, no entanto, percebemos que também Elias é uma espécie de aprendiz. Dividido entre o mundo das fadas e dos humanos, o mago “desperta” para suas emoções na mesma medida em que Chise descobre seus próprios poderes mágicos.

Chise não é uma cria que “cultiva” do zero, mas alguém que encontra na encruzilhada de jornadas opostas.  A garota deseja abrir mão de sua humanidade; o mago, tornar-se uma pessoa.

Para tanto, precisa tomar a discípula de muleta para conhecer a si mesmo. Um aprendizado que se torna cruel quando Chise faz nascer suas próprias asas, e Elias precisa enfrentar, sozinho, a dor do ciúmes e da solidão.

Como disse Yamazaki em uma entrevista:

Para mim, o mais importante é mostrar que dois seres, mesmo que sejam muito diferentes (já que uma é humana e outro uma espécie de besta, ou ao menos um não-humano) podem compartilhar as coisas.

Embora eles pareçam completos opostos, algo os força a se aproximar; talvez não completamente, mas há sempre uma margem. Dois seres que no início não se compreendem, não se apreciam, que são estranhos um ao outro podem se aproximar em um dado momento. Esta é uma das mensagens principais que eu gostaria de passar com esse mangá.”

A mangaká Kore Yamazaki

É o mesmo dilema de Johanna, dividida entre a “educação” que recebe de Mefistófeles e a “educação” que ela mesmo confere àqueles que vieram a depender dela.

É o dilema dos jovens amantes de Futari no Renai Shoka. Entre Aiko, a vítima de negligência, e Kanako, o resultado do abandono após anos de indiferença.

Se obras como Umibe na Onnanoko e The Gods Lie nos mostram como feridas podem surgir, Yamazaki nos sugere como podem ser fechadas.

A hora de crescer

Para a maior parte dos críticos, a primeira obra que vem à mente quando falamos de Mahoutsukai no Yome é A Bela e a Fera.

Não para mim. De minha parte, não consigo pensar em outra que não Leon, história de amor entre um assassino de aluguel e uma órfã (interpretada por uma Natalie Portman então com 11 anos).

Mathilda, a órfã, teve os pais assassinatos pela polícia. Deseja tornar-se uma atiradora para poder vingá-los. Léon, o assassino, sabe melhor. Sua estreia no crime foi movida por um trauma similar, cuja dor nunca deixou de sentir. Até encontrar Mathilda.

Na medida em que ensina à garota sua profissão, “mestre” e “discípulo” se invertem. Enfrentar o mundo aos 11 anos, descobrimos, requer muito mais força que matar alguém a sangue-frio.

“Eu já cresci tudo o que tinha que crescer” ela nos diz. “Agora, só fico mais velha”.

“Comigo, é o contrário” ele responde “Já estou velho o suficiente. Está na hora de crescer”. Uma confissão que não seria estranha nas bocas de Elias, Kanako ou Johanna.

“Não se pode amar apenas a si mesma”; Ruth, o familiar de Chise, lhe diz em certo momento. Não se pode viver, tampouco, amando apenas aos outros. Sem amor próprio, pouco resta da vida além da espera pela morte.

Encontrar o equilíbrio entre os dois talvez seja o grande segredo. A essência, tão elusiva, do que significa afirmar-se como indivíduo.

6 comentários sobre “As heroínas torturadas de Kore Yamazaki”

  1. Ah eu super precisava ler isso. Eu não conseguia me identificar com a Chise no quesito de dependência e entrega, e eu fico meio deslocado e incomodado com as escolhas dela em referência ao Elias. Eu, como um antigo fã de Natsume Yuujinchou havia achado Mahoutsukai no Yome muito semelhante ao anime, e isso foi o que me motivou a continuar a ver Mahoutsukai. Ambos os protagonistas partem da mesma linha, abandonados e amaldiçoados por um tipo de “dom” que para eles funcionavam como uma
    maldição que afastava todo mundo. Eles encontram uma família e passam a aprender sobre o próprio passado e sobre como essa maldição pode aproximar novos amigos. Agora eu me toquei que a família do Natsume funciona como o Elias para a Chise. Acho que preciso dar mais tempo à Mahoutsukai. Sobre as referencias à XXXHolic , ao menos no anime, eu não vi muita relação ( tirando o clássico esquema ajudante-mestre-yokais, que em XXXHolic é muuuito mais sombrio). Achei super legal a comparação com Leon.

  2. Olha, o texto foi muito interessante, mas continua sendo uma terrível apologia a subserviência, e as propostas de “quem é o verdadeiro mestre” e “dois estranhos podem se tornar próximos” são também características típicas de relacionamentos abusivos, pois colocam o “mestre” também no papel de vítima, de incompreendido e solitário, que precisa do “servo” para ter uma vida melhor e se superar. Só q esse pressuposto, de q alguém pode salvar alguém estando lá e se submetendo a seus desmandos, é uma falácia.

    Não li as outras obras da autora e estava acompanhando o animê com certa dificuldade, embora a ambientação seja linda e tudo o mais, exatamente por essa naturalização das reações da Chise e da romantização do Elias, msm após ele ser representado como alguém que compra outras vidas, não hesita em mentir e omitir para atingir seus objetivos e é basicamente um monstro (se formos levar isso no sentido literal e figurado). Entendo que é só uma obra de ficção, mas como muitas outras obras de grande alcance, periga se tornar base e meta de relacionamento de pessoas jovens. Complicado.

    1. Milhões de pessoas no mundo todo optam pela subserviência às custas da liberdade: à uma figura doméstica provedora, a um governo autoritário, a uma religião repressiva, a alguma seita política ou messiânica.

      Eu não gosto disto, mas o fato é que essas “Chises” existem, e os motivos que as levam a agir como tal são bastante contundentes. As ideologias de emancipação não são perfeitas. A liberdade traz angústias, e a submissão traz confortos que a independência não oferece.

      Como obra de arte, Mahoutsukai no Yome nos ajuda a entender o que leva essas pessoas a agir dessa maneira, longe da condescendência com que amiúde são tratadas na grande mídia.

      Sobre seu segundo argumento, indico minha entrevista com a Profa. Ivelise Fortim da PUC, organizadora do livro “Mangas, Animes e a Psicologia.” Eu perguntei sua opinião sobre a polêmica de Usagi Drop (obra ainda mais questionável que Mahoutsukai no Yome):http://www.finisgeekis.com/2017/02/28/mangas-animes-e-a-psicologia-entrevista-com-a-profa-ivelise-fortim/

  3. Gente deixa o feminismo e a ideologia de esquerda de lado pelo menos quando for assistir o anime por favor. O Elias é super gentil e amável e nunca forçaria a Chise a nada. Se ela quisesse fugir ou algo assim ela poderia ter feito.Ela está com ele por livre e espontânea vontade.
    Eu vi referencias a Ai no Kusabi , Tonari no Totoro, Berserk e Mononoke Hime também. É um anime excelente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *